Quem sou eu

Minha foto
Eusébio, CE, Brazil
Espírita - Brasil

sábado, 7 de janeiro de 2017

FRUTOS DO AMOR

Devido a uma formação religiosa inadequada, por herança de família, quase sempre estou propenso a aceitar que "os céus me castigam" com essa ou aquela doença, com este ou aquele problema ou mesmo pelo nascimento em meio social que me pareça inadequado.

Até a morte do corpo, que devia ser considerada etapa natural da vida terrestre, tememos e queremos que haja uma proteção de Deus para evita-la para nós e para os nossos familiares.

Sabemos que Deus tem todo o poder sobre as nossas vidas, por isso, nossa primeira reação diante de problemas inesperados, é debitar a Ele por todos os malefícios que nos atingem, inclusive pelos sonhos que não realizamos.

É mentira que nascemos do pecado e somos fruto do pecado. A única culpa que possamos carregar será por fatos de nossa própria autoria.

Como espíritos somos os filhos de Deus, nascidos do seu amor e destinados a obter a felicidade e a plena realização, mediante a aquisição dos conhecimentos e das virtudes que nos levarão às regiões celestiais de amor e paz.

Os corpos que ocupamos na Terra, também resultaram do amor que reuniu duas pessoas e da necessidade da nossa plena evolução.

Nada, em nossa vida, é obra do acaso e nem resulta de escolhas de Deus para premiar a uns e punir com "castigo do céu" a outros.

Nossas escolhas e nosso passado - nas muitas vidas que a eternidade nós dá - resultaram no que somos hoje e na realidade que desfrutamos sobre a Terra. Toda a culpa que possa constituir nossa bagagem espiritual, antes do nascimento, está em processo de expiação nas próprias vidas terrestres, mediante a Lei da Ação e Reação. Resgatamos para evoluir.

A ninguém podemos culpar por alguma infelicidade e só a nós mesmos devemos atribuir as conquistas de felicidade que nos abracem.

Nossa vida tem finalidade, com objetivos claros e executáveis. Ninguém estará se condenando à infelicidade eterna por qualquer ato ou coisa que faça, nessa etapa de vida terrestre.

Não há condenações eternas, sob qualquer pretexto.

A única verdade da qual não escaparemos é a de que evoluiremos por fruto do nosso livre arbítrio, custe isso cem, mil ou um milhão de vidas, nos planos físicos do Universo.

Claro que nas muitas vidas estaremos efetuando todos os resgates necessários das situações conflitivas com as quais causamos sofrimento e dor. Daí decorre que tais resgates podem nos impor  sofrimento e dor, por igual. 

Deve ficar claro que ações boas, apagam ações más. Assim, sofrimentos podem ser evitados com as boas ações, em todas as vidas.

Deus é amor, alegria e felicidade.

Caminhamos para Ele.


.-.-.-.-.-.-.-.

quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

REENCARNAÇÃO - 2 BILHÕES ACREDITAM

DOIS BILHÕES DE PESSOAS (28% da população mundial) acreditam na reencarnação. Eu acredito!

É incrível que a ciência, nos tempos atuais, não inclua entre os focos da sua pesquisa, a ocorrência da REENCARNAÇÃO. Até porque esta poderia ser a porta de entrada para a compreensão da dupla realidade da vida, que está centrada no binômio "espírito-matéria", coincidindo em que a vida humana é um reflexo da vida espiritual, esta eterna na evolução do espírito.

Quantas indagações seriam melhor compreendidas e esclarecidas, se a ciência alcançasse essa verdade de que a o homem é um ser em vida única, dotada da imortalidade?

Que avanço seria comprovar que o homem físico já traz consigo uma bagagem de experiências, tendências e potencialidades, adquiridas e vividas em outros períodos de vida física terrestre?

Quantos problemas seriam "facilmente" solucionáveis?

Sabemos que a ciência, em momentos passados, sempre se absteve de afrontar os religiosos de Roma, os quais detinham poderes de levar à fogueira, os cientistas que ousassem ofuscar os seus DOGMAS e PRECEITOS. No entanto, já é hora de compreender que esse poder de vida e morte dos religiosos também já morreu com fim a Idade Média e seus horrores. 

A Igreja já não tem poder absoluto sobre as mentes científicas que buscam a verdade em todos os fenômenos que se apresentem à humanidade. Ela já não é o obstáculo objetivo do avanço científico. Talvez ainda possam vigorar, no aspecto subjetivo, dos homens cientistas, a ameaça da condenação pela culpa eterna. 

Compreende-se que a ciência fincou os seus fundamentos nas coisas concretas que podem ser vistas ou admitidas por relação de forças físicas. Só lhe ocupa o tempo o saber das coisas que podem ser medidas, mapeadas ou até fotografadas. 

Por que os cientistas se escondem na omissão e no silêncio, quando vislumbram o desdobramento da vida humana?

Recusam-se a focar as suas investigações em algo básico, sem sentido religioso, sendo um fato normal da vida de todas as pessoas, no qual acreditam um terço da humanidade. 

A verdade mais simples é a de que a ciência, no mundo atual, tornou-se escrava do dinheiro e do poder. Ela está movida por grandes interesses financeiros. Seja pelas conquistas de poder pelas guerras, seja pela obtenção das curas de doenças, quando isso atende aos fins lucrativos dos seus financiadores. 

Os cientistas que amavam a ciência pelo ardor da pesquisa e do conhecimento são coisas do passado, e os mecenas, benfeitores das artes e da humanidade, são hoje vorazes capitalistas que só valorizam grandes cifras que possam amealhar.

Apenas para encerrar esse bate papo, convém mencionar que os primeiros cristãos conviviam pacificamente com o conhecimento da reencarnação. O vocábulo "reencarnação" foi delatado da bíblia, por determinação do imperador Constantino (Cristão), no interesse de sua mulher que temia a menção de que os fatos passados da sua vida pudessem gerar consequências em vida futura. 

Mesmo assim, ficou mantida na Bíblia a afirmação de Jesus a respeito do Profeta Elias "Elias já voltou e os seus não o reconheceram", quando o mestre respondeu à indagação dos seus discípulos sobre quando se cumpriria a profecia de "Zacarias" sobre a volta do grande profeta à Terra.

N eternidade em que vivemos, todas as respostas e anseios do conhecimento virão com o tempo, na descoberta da verdade, sobre a qual, disse Jesus: "Conhecereis a verdade e ela vos libertará".

Resta aguardar.


.-.-.-.-.-.-.-.

segunda-feira, 7 de novembro de 2016

Uma só Vida.

As vidas, no plano físico, são os degraus da evolução do espírito. O ser que volta ao plano físico, reencarnado, trouxe consigo o seu grau de evolução e, também, uma "programação" do que seria adequado aqui realizar, para ascender na sua realidade espiritual.

Cada etapa de vida é adequada e inerente a uma individualidade. Não haveria proveito em alguém viver a vida de outra pessoa pois a realidade de cada um é resultante de um passado individual, que construiu a realidade presente.

Em cada vida estão inseridas as circunstâncias e emoções das quais resultarão o aprendizado e a evolução de um determinado espírito.  Quem não sabe ler precisa da escola primária. Quem teve o ensinamento básico precisa de um curso universitário e assim por diante.  Cada pessoa ostenta um grau de conhecimento e virtudes e, também, um conjunto de necessidades de aprimoramento para a sua própria elevação.

O sentido e o objetivo da vida sobre a Terra é o crescimento do espírito encarnado. Por realidade recebemos a colheita da semeadura do passado. De igual forma, no futuro colheremos o que estamos semeando agora, no presente.

Cada espírito que chega à Terra traz consigo um roteiro e aqui encontra as melhores condições para a vivência necessária à evolução. Entretanto, cada um detém o poder decisório - livre arbítrio - de seguir ou não a orientação traçada. Cada pessoa é dona do seu querer e das suas decisões. Ninguém está entregue ao imprevisível, à sorte ou ao acaso. O homem não é resultado do instinto, do desejo ou das circunstâncias.

O Espiritismo veio mostrar que a vida tem um sentido, com origem, meio e fim. O princípio inteligente que hoje se expressa como homem encarnado, já viveu etapas de vidas em todos os reinos da Natureza, até se encontrar ciente da sua individualidade e consciente da sua evolução.

Na etapa humana, o princípio inteligente-espírito já galgou um elevado grau de evolução, se considerarmos que nas eras passadas, ele apenas existia como parte da natureza, parte da criação, em evolução. Hoje ele tomou nas mãos o seu querer e se tornou ciente do seu poder. Se está um pouco abaixo dos "anjos", a evolução o levará à angelitude.

O sentido maior da vida só será compreendido para além da própria vida física, posto que esta é meio e não finalidade em si própria. Vivemos a vida física para aprimorar conhecimentos e virtudes em prol de uma conquista muito maior.

A busca desenfreada por riqueza e poder, na Terra, não traz recompensa que ultrapasse os limites da vida terrena, caso essa busca se sobreponha às oportunidades de realizar o amor, o perdão e a solidariedade. A verdadeira felicidade não está fundada no usufruto de bens materiais. Ela só será obtida com a felicidade do espírito que é o agente da vida.