Quem sou eu

Minha foto
Eusébio, CE, Brazil
Espírita - Brasil

domingo, 31 de julho de 2016

VIVENDO COM LÓGICA


O que vamos conversar hoje parte do pressuposto de que a pessoa possa gerir a sua vida e tenha seus próprios meios de sobrevivência. Não se trata aqui de favorecer a rebeldia ou de viver a vida ao sabor do vento ou das ocorrências. Trata-se mais de dar sentido à vida.

Viver se tornará mais simples se você encontrar lógica nas coisas que faz.

Encontrando lógica em função de um motivo, analise esse motivo e veja se ele é imprescindível ou muito relevante.

Faça as coisas que gosta ou que quer fazer, vendo lógica do querer e gostar.

Não aceite viver a vida pelos pensamentos de outra pessoa, quando você ache que não há lógica no que lhe é sugerido ou imposto.

Analise com calma conselhos e sugestões de terceiros. Há conselhos que são verdadeiros alertas da providência divina.

Não acredite em tudo que ouviu. A lógica pede que se busque a verdade. Procure novas fontes que confirmem o que ouviu ou leu.

Nunca se entregue à preguiça mental. Raciocine e dê cada passo na direção que lhe convém ou que lhe pareceu mais lógica, em função do que você pensa.

Não existe caminho mais fácil, geralmente o mais fácil surge com a improvisação. O improviso é mais próximo do erro do que do acerto.

Seu cérebro, sua mente e sua consciência, compõem o mais excelente computador que a natureza e a vida podia produzir.  Você tem todo o potencial para tomar todas as suas decisões sem depender de outras pessoas.

Discernir o certo e o errado, o prescindível e o essencial e o conveniente e o inconveniente, constituem a base de toda a sabedoria.

Cultivar a sua essência espiritual é necessário para não perder o foco de que a vida na Terra é transitória, sendo parte da vida eterna do espírito.

Cada ser humano é uma pequena usina de energia. Doamos, recebemos ou repelimos energias em função da semelhança ou dissemelhança da energia que portamos. Cultive boas energias ao seu redor.


O Universo é um grande celeiro, você só retira dele o que lá depositou.


.-.-.-.-.-.-.-.

sábado, 30 de julho de 2016

AS REALIDADES DA VIDA

A vida é mais que o espaço entre o berço e o tútulo. A vida antecede e ultrapassa esses limites físicos que conseguimos observar. O espírito foi criado imortal e, portanto, sua vida pre-existe ao nascimento na Terra e continua a existir após a morte do corpo terrestre, como vida única e eterna, enquanto se processam as por etapas vividas no planeta e as etapas vividas no astral.

O que chamamos nascimento e morte são as transições entre as etapas da vida única que se manifesta como vida física e vida espiritual. São os pontos de embarque e desembarque no ônibus em que viajamos sobre a Terra.

Mentalmente adormecidos, preferimos ignorar a realidade espiritual de onde viemos e para onde estamos retornando. Ignoramos que o sentido da vida na Terra é o aprendizado e evolução do espírito, que se realiza pela prática do bem, na aquisição das virtudes aqui disponíveis.

Equivocadamente, buscamos as realizações de bem estar e prazer como únicas razões e justificativa da vida terrestre. A aquisição de bens e poder passa a ser a finalidade primeira, na certeza de que essa é a correta busca da felicidade.

Essa vida física, da forma como ela se nos apresenta, foi ardentemente desejada como meio para a conquista da felicidade espiritual. As condições que recebemos, no meio físico, são o melhor meio para tal realização. Ambas as realidades da vida do espírito são igualmente importantes - a física e a espiritual - sendo que cada uma se torna prioritária na sua exata ocorrência. Se estamos encarnados, é mais importante fazer o que viemos aqui fazer e aprender do que ajoelhar e rezar  o dia inteiro, desmerecendo essa vida que é verdadeiro premio espiritual, dada a suma importância da elevação do espírito.

Não é somente uma vida de sacrifícios que pode elevar o espírito. Todas as circunstâncias da vida física são elementos do necessário aprendizado. A prática do bem, da justiça e do perdão não estão condicionadas a qualquer condição ou meio social. Em todo momento, há espaço para a solidariedade, levando alegria e paz por todos os lugares e situações.

Se a humanidade se conscientizar que somos espíritos numa viagem de estudos e que estamos aqui construindo uma melhor realidade futura, a nossa Terra se tornará um lugar muito melhor.


.-.-.-.-.-.-.-.







segunda-feira, 18 de julho de 2016

INVERSÃO DE PRIORIDADES

Na viagem em que vamos, estamos retornando ao Plano Espiritual de onde viemos em busca de alcançar méritos que nos permitam ascender às moradas celestiais mais elevadas - lugares de maior felicidade.

Nesse trajeto, é muito conveniente que nos atenhamos ao roteiro pré-estabelecido para o sucesso desse empreendimento de evoluir. Esse roteiro que não sujeita o nosso livre arbítrio, é o caminho do sucesso. Entretanto, em que pese planos e metas. Em que pese os compromissos e os desejos, a liberdade de fazer ou não fazer, quase sempre, acaba por constituir desvio de finalidade, porque a vida nos entulha de novos desejos, compromissos sociais e novas prioridades focadas na evolução material de ganhos terrestres. E, assim, pode ocorrer que invertamos as finalidades do viver, priorizando o imediato e postergando a realidade do espírito.

Se a vida na Terra nos acena com a necessidade/possibilidade de viver em melhores condições econômicas, logo colocamos como prioridade obter riqueza e poder, muitas vezes mesclando meios lícitos e ilícitos, acrescidos de eventual prejuízo ao nosso próximo.  O mesmo ocorre com relação aos prazeres que, por vezes, levam a uma vida desregrada.

Esquecidas ficaram as finalidades primeiras da nova vida - reencarnação - e o roteiro inicialmente preparado.

Essa inversão de valores conduzirá à perda do tempo de uma vida, fato do qual só nos daremos conta quando regressarmos ao lar espiritual, talvez, com eventual acréscimo na linha de resgate, pelo mal que deva ser reparado.

A vida na Terra é a oportunidade oferecida ao Espírito para adquirir virtudes e para praticar o bem. O saldo das nossas decisões determinará o grau da nossa evolução espiritual, da qual resultará novo período feliz ou infeliz no mundo espiritual, enquanto aguardamos nova vida e  nova oportunidade evolutiva.

O Espiritismo compreende e divulga as penas e recompensas para o espírito como resultantes da vida sobre a terra, no entanto, assegura que tais condições são provisórias, como um estágio preparatório de conscientização de prioridades para uma nova vida.

O progresso da Alma é  Lei Imutável de Deus. O espírito aprende e progride mediante as vivências físicas, através dos erros e acertos que pratica em seu livre arbítrio. Em tudo estará presente a justiça divina que a cada impõe a colheita do que semeou: Bondade ou sofrimento são apenas resultados da faina individual do espírito.


-.-.-.-.-.-.-

domingo, 17 de julho de 2016

PROPÓSITO E FINALIDADE

Somos viajantes do Universo e da eternidade. Tivemos vidas incontáveis e habitamos mundos diversos.  Chegamos até aqui como resultado de um progresso e de uma evolução que nos impulsiona, conscientes ou não, para a meta de alcançar a elevação espiritual. Viveremos sempre os ciclos de vidas necessários para essa aquisição que é individual e permanente.  As vidas físicas cessarão quando a alma alcançar a pureza que busca e que a habilitará habitar os mundos superiores que hoje chamamos de "céu".

A eternidade não tem pressa. A alma sim é que deve apressar a sua evolução para adquirir felicidade. 

Nesse entendimento do conhecimento universal e da pureza da alma estão as palavras de Jesus: E conhecereis a verdade e a verdade vos libertará. Quanta verdade e conhecimento ainda temos que conhecer e adquirir?  E todo conhecimento virá pelo esforço humano (de cada um), mediante a busca da ciência e da experiência. A natureza não dá saltos. A evolução é contínua e obedece aos ditames da própria humanidade em adquirir sabedoria.

O Mestre Jesus habitou entre nós num tempo em que não sabíamos de muitas ciências. Admitimos que Ele, como Espírito Superior, sabia de todas as coisas e poderia revelar, mas preferiu postergar os conhecimentos das verdades para a própria busca humana. Jesus não revelou que:

  • que a Terra não era o Centro do Universo e que o sol não girava em torno dela;
  • que a Lua era parte da Terra, como satélite que interfere nas suas condições de vida;
  • que a Terra é uma bola que gira no espaço, em torno de si mesma e em torno do Sol;
  • que a terra é apenas um Planeta de ínfima categoria dentro de uma galáxia, de ínfimo tamanho no conjunto das galáxias - do Universo;
  • que a Terra é apenas um grão de poeira dentro do Universo;
  • que a Terra é uma das moradas celestes, onde a alma aprende e evolui, dentro das condições evolutivas nela existentes;
  • que há vida e evolução em todo o Universo;
  • que há um "universo" de vida e seres na Terra que seria revelado no futuro (vermes, bactérias, vírus) todo um mundo dos infinitamente pequenos;
  • que havia gases e energias circundando a Terra, por camadas, as quais a protegem e criam as condições da vida terrestre;
  • que o homem um dia voaria por grandes distâncias;
  • que o homem voaria para além das nuvens - sairia da Terra e voltaria a ela;
  • que o homem poderia ver o interior do corpo humano vivo, sem secciona-lo.
  • que o homem poderia desenvolver sistemas de tratamento e cura das doenças, inclusive, percorrendo o corpo humano para conhecer e debelar as enfermidades;
  • que as enfermidades tanto procedem do meio físico, como da realidade mental e comportamental.

Lembro-me que há quarenta anos, a entidade "Pai Benedito de Angola" revelou para um grupo de 6 pessoas que participávamos de uma "reunião" em Belo Horizonte, que "as cirurgias do futuro já não mais dependeriam de cortar o corpo humano como se faz agora".  Parecia inacreditável que viesse a ser assim, mas é o que hoje vemos: complicadas cirurgias sendo realizadas com o método da laparoscopia que é minimamente invasivo, mediante a utilização de equipamentos de alta precisão, introduzidos por alguns furos no corpo humano.

Cada verdade que conhecemos nos libera do sofrimento e nos esclarece sobre a vida e sua finalidade: É preciso ter olhos para ver, ouvidos para ouvir e percepção da sabedoria.

A vida não é nascer e morrer: dormir, acordar, trabalhar, alimentar o corpo e mante-lo saudável. A vida tem propósito e finalidade que o espírito conhece muito bem, mas que o livre arbítrio camufla e faz esquecer.

Viver é construir o caminho da felicidade para muito além desta vida. Sem pressa, mas com diligência para perseverar no caminho da justiça e do bem.  

Religião é apenas um detalhe que ajuda. Religiosidade é amar o próximo.


-.-.-.-.-.-.-