Quem sou eu

Minha foto
Eusébio, CE, Brazil
Espírita - Brasil

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Epitáfio


Epitáfio

Sim, dói sim!
Como palavras mal ditas
Sepultadas no silêncio da estúpida ausência...

Do repentino minuto,
Divisor de vidas e paixões.
Fatal.

A histeria. O pranto incontido.
Derramado sob a ótica indecifrável do já ocorrido.
O irremediável passado...

Algoz impávido, ímpio, tolo e sem razões.
Livrai-me!!!
Revoga tua sentença!

Algia cálida e muda.
Sentida na alma dos que ainda sofrem.
Conjugada, mútua às nações de miseráveis;

Que no fim enfrentarão a identidade própria da carne humana
Impermanente, fugaz, exaurida...
De nada servirá, senão aos vermes!
Mestres, no sombrio desfecho da humana vida.

Vede!
 agoniza a matéria, na decomposição.
- Mas não a forma etérea -
Onde a redenção?

O Espírito liberto
Qual fênix, das cinzas renascida,
Voa, altaneiro, espaço aberto,
Por entre miríades celestes,
Já, agora desperto.
Revive...

Alexandre Henrique Eller
-Fortaleza, 12.11.2003-






.-.-.-.-.-.-.-.

10 comentários:

  1. Obrigado Alex pela colaboração. Uma linda poesia.
    Deus te abençoe.

    ResponderExcluir
  2. Linda Poesia!!!!!Parabéns!!Alívia a alma!!

    ResponderExcluir
  3. Alex,
    A poetisa Zulmira Heiderich de Las Casas comentou o seu poema, por outra via. Suas palavras:
    "Epitáfio! Linda! Muito linda mesmo!
    Diga ao Alex que eu não sabia do lado poético dele!
    Belo Estilo.
    Parabéns!"

    ResponderExcluir
  4. Linda poesia,Obrigado

    ResponderExcluir
  5. Linda mensagem, estou seguindo seu blog!!
    Obrigada

    ResponderExcluir
  6. Lindo poema, obrigado pela dica no twitter adorei!

    ResponderExcluir
  7. Alex,
    Sua poesia já contabiliza quase 1 milhar de visitantes. Muitos enviam e-mail para manifestar agradecimento por esse texto que traz consolo, em horas bem difíceis.
    É uma poesia. Vai calar a veia poética por aí?

    abraço.
    Euleir (papai)

    ResponderExcluir
  8. Poesia muito linda, traz para a alma o alivio que ela necessita em momentos difíceis.
    Palavras que transmites consolo.
    Transformaste um tema difícil e dolorido uma poesia leve, doce e consoladora.
    Meus parabéns

    ResponderExcluir
  9. Qual fênix, das cinzas renascida,
    Voa, altaneiro, espaço aberto,
    Por entre miríades celestes,
    Já, agora desperto.
    Revive...

    Magnifico!!!!!

    Obrigada querido Euleir e Alex pela oportunidade de apreciar algo tão lindo!!!
    Muita paz ♥

    ResponderExcluir
  10. Belíssimo texto.
    Obrigada.

    ResponderExcluir