Quem sou eu

Minha foto
Eusébio, CE, Brazil
Espírita - Brasil

segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

Os Meus Irmãos.

Jesus tinha irmãos e irmãs e, logicamente, os amava, sendo Ele mesmo a máxima personificação do amor sobre Terra. No entanto, referiu-se à sua família, de forma muito estranha, quando lhe comunicaram "Estão aí fora a tua mãe e os teus irmãos que vieram te buscar: ...Quem é a minha mãe e quem são os meus irmãos?"

Embora pareça uma negação, essa é uma declaração do mais puro amor por seus parentes. Jesus amava os seus familiares mas não os distinguia por esse vínculo de amor e, sim, os inseria no AMOR UNIVERSAL de cuja mensagem era ele o portador mais sublime. 

O amor que resulta em posse ou preferência é um amor individualizado e, conquanto seja amor ou um aprendizado de amor, não é o amor que liberta para a ascensão espiritual. Esse tipo de amor pode, também, transformar-ser num elo que prende o Espírito ao nosso planeta.

Encarnados na Terra, aqui nos encontramos para aprender sobre o amor e o perdão e, muito provavelmente, ainda temos muito para aprender embora, cada um de nós, já tenhamos alcançado um determinado grau desse entendimento e aprendizado.

Há um ensinamento de André Luís que versa sobre o aprendizado do amor, do qual sempre me lembro e que diz mais ou menos o seguinte: "Aquele ser extremamente egoísta, que só é capaz de amar a si próprio, é um ser em plena evolução no aprendizado do amor. Ele já aprendeu a primeira lição que é a de amar a si mesmo. Com o tempo aprenderá a amar aos seus familiares e, posteriormente, também ao seu próximo. Esse ser já esteve em piores condições nesse aprendizado, quando não amava nem a si próprio e sequer valorizava a própria vida."

Atento ao que nos ensinam os nossos amigos espirituais, sabemos que todos os elos que nos prendem à Terra, constituem entraves para a nossa ascensão  espiritual. 

Quando partimos para vida espiritual, precisamos estar livres dos cuidados terrenos, sejam eles bens, planos e projetos intelectuais ou artísticos. Mesmo a afeição por "objetos de estimação" pode exercer efeito prejudicial, no sentido de não libertar o Espírito, seja esse objeto uma joia, um utensílio ou uma simples indumentária.

E não é apenas pelo espírito se prender aos objetos é, também, pelo fato de que os que ficam, ao se concentrarem nesses objetos, podem estar fazendo verdadeira invocação do Espírito, atraindo-o para o ambiente terreno e infundindo nele matéria densa de saudade ou de não aceitação da realidade espiritual.

A vida na terra tem finalidade e prazo de validade, dela o espírito só deve levar os frutos obtidos em conhecimentos e virtudes. O amor e cuidados sobre tudo que aqui ficar, devem ser entregues à providência divina, para não se tornarem em circunstâncias que interfiram, indevidamente, na elevação de cada Espírito envolvido. 

Toda espécie de amor já é uma forma de elevação espiritual. Entretanto, o amor precisa ser exercido de forma incondicional e com total desprendimento. Ou seja, o amor precisa ser o próprio "modus vivendi", sem uma vinculação específica e sem uma justificativa necessária.


Aquela indagação de Jesus sobre quem é minha mãe e quem são os meus irmãos, precisa ser entendica como: "EU AMO A TODAS AS PESSOAS, IGUALMENTE, COMO SE ELAS TODAS FOSSEM MEUS IRMÃOS E MINHA MÃE".


QUE POSSAMOS RECEBER O NOVO ANO COM MUITA ALEGRIA E COM  NOSSA PRE-DISPOSIÇÃO PARA A PRÁTICA DO AMOR UNIVERSAL,  REALIDADE QUE RESULTARÁ EM NOSSA ELEVAÇÃO ESPIRITUAL.


Feliz Ano Novo!




.-.-.-.-.-.-.-.


Nenhum comentário:

Postar um comentário