Quem sou eu

Minha foto
Eusébio, CE, Brazil
Espírita - Brasil

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

AMOR AO PRÓXIMO


Chico Xavier definiu a família - o lar - como "uma usina de amor e perdão". 

Nossa família não é formada ao acaso! Essa é a visão espírita do grupamento de espíritos que compõem a família na Terra. Há todo um planejamento para que os Espíritos estejam assim agrupados. O propósito é o de aprendizado e evolução, quase sempre, passando pelos laços da reconciliação.

Bendita a Providência Divina que sempre nos concede a oportunidade de aprender a amar e perdoar!

Devedores e cobradores - de vidas passadas - podem estar agrupados no mesmo lar, num verdadeiro reencontro de adversários, colocados diante da oportunidade de amar e perdoar, agora na condição pais, filhos ou irmãos.

E aqueles que se casam e depois se divorciam? 

Se cumpriram o propósito daquela união atingido está o objetivo... mas se, por acaso, se odeiam... talvez, tenham de repetir o relacionamento familiar, para que a lição seja aprendida e superada, até sob nova condição de parentesco.  Só Deus sabe a melhor  maneira de  as pessoas se relacionarem para obter o melhor resultado. Entretanto, é bom lembrarmos que Deus não interfere no livre-arbítrio que outorgou ao Espírito. 

Se o relacionamento de cônjuges, de pais e filhos ou dos irmãos entre si, está difícil, imagina como pode ter sido o relacionamento quando se viam como   inimigos ferozes e vingativos! 

No seio da família, os pais podem estar devolvendo ao filho a própria vida que dele tiraram. E esse ser que nasce, agora, cercado de amor, pode estar recebendo o perdão e tendo a chance de perdoar. Eis a chance de desfazer elos negativos do passado que impediram a evolução das almas.

Pergunta-se: Não seria mais fácil se lembrássemos todo o passado para corrigi-lo, com presteza e dedicação?

Em alguns casos, quando já há arrependimento dos fatos passados, sim. No entanto, quase sempre, esses que sofreram fortes perdas e injustiças no passado, ainda não estão prontos para o perdão e poderiam optar pela vingança, caso tivessem claras essas lembranças.

O amor tem que nascer espontâneo pelo desejo do Espírito. Dessa forma, os antigos inimigos já estarão prontos para se perdoarem, mesmo diante das lembranças, no futuro convívio espiritual. 

Os ensinamentos de Jesus: "Perdoai aos vossos inimigos" e "Concilia-te com o teu adversário", são difíceis de serem seguidos... mas podem se tornar mais fáceis de serem assimilados se pensarmos que os antigos inimigos e adversários podem estar, agora, partilhando o nosso mesmo teto e o mesmo projeto familiar. 

Então... Vamos amar ao próximo e, principalmente, ao que está mais próximo:
Não é por coincidência que ele está tão próximo...!



.-.-.-.-.-.-.-.








Nenhum comentário:

Postar um comentário