Quem sou eu

Minha foto
Eusébio, CE, Brazil
Espírita - Brasil

quinta-feira, 3 de janeiro de 2013

Clonagem humana

Escolhi um tema polêmico meio polêmico para o nosso bate papo de hoje.  Enfatizo que se trata de opinião pessoal que não está embasada em conhecimento científico específico. Essa abordagem, além de pessoal, apenas se respalda no pequeno conhecimento espírita que já possuo.

A ciência já se mostra capaz de criar corpos humanos ou nele interferir em suas características individuais, pela manipulação dos genes, óvulos e embriões. Experiências realizadas com animais autorizam afirmar que a ciência já pode obter corpos humanos através dessa manipulação genética.

Esse fato já causa uma tremenda confusão entre governos, ciência, ética e moral, inclusive com o consenso de obstar a produção dos "clones humanos". Os setores religiosos advogam ser prerrogativa de Deus a criação dos homens, ou seja, apenas pelo método natural da formação dos corpos.

As discussões nos meios religiosos sempre concluem por reprovar o intento da ciência de interferir na reprodução humana. Há quase unanimidade em considerar o fato como heresia e vaidade científica.

Foi assim, também, com o início da "era espacial" quando o homem mandou os primeiros artefatos para fora da estratosfera terrestre, fase que culminou com o homem andando na Lua, no ano de 1969. Na igreja evangélica que eu frequentava foi um pasmo e reprovação geral. Os fatos eram considerados como uma tentativa do homem de se igualar a Deus. Pura vaidade humana!

O que se seguiu, em face da exploração espacial, foi o grande avanço tecnológico da humanidade, em todos os setores, principalmente no que se refere às comunicações globais. Nos dias de hoje, já há pleno consenso de que o homem pode e deve ir a Marte ou a qualquer planeta, quando possível, até mesmo a planetas externos do Sistema Solar, sem que isso seja sequer cogitado como ofensa a Deus.

Todo calmo e eis que surge a CLONAGEM como novo ponto de polêmica. De novo se considera o progresso da ciência como possível ofensa a Deus, agora que surge a possibilidade de o homem criar "corpos" modificados geneticamente. 

Eu tenho uma posição pessoal mais aberta em relação à clonagem humana.  Sem discutir o mérito da questão, opino em que o corpo humano é apenas a vestimenta do Espírito e, por essa razão, não me parece tão imprescindível a forma de como um corpo é produzido. O que  me parece importante é pensar no Espírito que virá habitar o corpo assim criado, posto que, quanto a isso, tudo dependerá dos fatores determinantes da Providência Divina.

O corpo físico é o veículo que serve de morada para o Espírito que por ele se expressa no meio físico. Equivale, portanto, a uma vestimenta para o Espírito, assim como as roupas são simples abrigos para o corpo humano.

Não importa que alfaiate produziu o terno, desde que este seja adequado para o uso e corresponda à necessidade ou ao gosto de quem o use.

Mesmo que alguém possa produzir um corpo humano, por métodos não convencionais, nunca essa pessoa poderá produzir o Espírito que poderá vir a habitá-lo.

Se o corpo, objeto da clonagem, for inadequado para uma vida próspera e saudável, desde logo, se pode admitir, que nenhum Espírito de razoável evolução venha a utilizá-lo.

O melhor é aguardar com tranquilidade o desenrolar dessa história...

Deus está no comando! O que é bom prosperará!






.-.-.-.-.-.-.-.

Nenhum comentário:

Postar um comentário