Quem sou eu

Minha foto
Eusébio, CE, Brazil
Espírita - Brasil

segunda-feira, 20 de junho de 2011

VIVER NÃO É FAZER TURISMO NA TERRA


Li no Blog Espiritualidade Cristã:

http://filhosdesetabrancaemaeiara.blogspot.com/2011/04/perolas-de-preto-velho.html

“Meu filho, lá nos planos espirituais, aonde você muitas vezes vai quando dorme, mas ao acordar não lembra, existe uma grande família espiritual a lhe esperar, velar e torcer por você. Quebre a barreira vibracional com sentimentos e pensamentos elevados, levando seu coração até eles. Mate a saudade espiritual que existe dentro do seu peito. Deixe a intuição fluir. Os mentores não são mestres intocáveis que vocês devem reverenciar, mas sim, são amigos de jornadas. Conheça-os, trabalhem juntos e se alegrem juntos. Eles estão te esperando.”

------------



Esta é a realidade. Temos duas famílias: A família terrestre e a família espiritual. Somos almas imortais e vivemos, alternativamente, na Terra e no plano espiritual. Em ambas as situações, estamos agrupados em grupos familiares. Nossa família terrestre, em cada encarnação, representa uma pequena parcela da nossa família espiritual.

Mesmo a família terrestre é cuidadosamente planejada no plano espiritual. Ela é concebida de forma a ensejar aos seus componentes todas as oportunidades para que os espíritos possam fazer as reconciliações necessárias.

Assim, estamos na família que planejamos e com a finalidade de cumprir uma programação a que nos propusemos, antes do nosso nascimento na Terra. O fato de não nos lembrarmos do compromisso e da finalidade é, exatamente, para que tenhamos mérito nos resultados. Tudo que realizarmos será creditado ao nosso próprio esforço e merecimento. Prevalece o livre arbítrio.

Amar aos inimigos, como nos ensinou Jesus, torna-se uma tarefa mais suportável, se os inimigos de outras épocas são, agora, os nossos pais, filhos ou irmãos, mediante a reencarnação dos espíritos adversários no mesmo grupo familiar.

Ninguém está na família errada. É necessário que surjam novos laços de amor onde, antes, vigoravam os elos do ódio e da animosidade, que conduziam a erros e crimes do passado, ou seja, de vidas passadas. Por essa razão, muitas vezes, partilham o mesmo teto as vítimas e seus algozes, agora reunidos para exercitar o amor e o perdão.

Se há sucesso nesse empreendimento, surgem as famílias cujos membros se dedicam ao bem estar uns dos outros. Por outro lado, o insucesso, pode resultar numa explosão do ódio entre os familiares, o que também não é incomum. Nesse caso, há que considerar que aqueles Espíritos falharam na tarefa de reconciliação a que se propuseram. Retornarão para juntos trilharem o mesmo caminho, até que transformem as energias densas em sentimentos de amor.
Ninguém escapa da Lei da Ação e Reação (o carma). Deus perdoa as nossas falhas mas exige a reparação pelo erro cometido. 

Muitas vidas. Muitas oportunidades. Mas a justiça sempre prevalecerá.

Seria incorreto pensar que toda família é montada apenas para reunir antigos inimigos que precisam se reajustar. No entanto, estaria correto afirmar que a família é a melhor escola para o exercício do amor e do perdão. É na família que se reúnem ferrenhos adversários que nela se convertem em irmãos e amigos, voltados para a busca da mútua felicidade.


Viver não é fazer turismo na terra!


.-.-.-.-.-.-.-.

Nenhum comentário:

Postar um comentário